Confira abaixo as publicações desta categoria:

Alteração dos prazos de envio da EFD – Reinf e as multas

Foram alterados os prazos de envio da EFD-Reinf e também foram criadas multas. Isso porque, foram feitas mudanças na Instrução Normativa RFB nº1.701/2017. Essa foi a norma foi que consolidou a Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais (EFD-Reinf). Certamente o objetivo era, entre outros, ampliar o prazo de início de seu repasse ao Sistema Público de Escrituração Fiscal (Sped). Confira o que passa a ser obrigatório:

envio-da-EFD
A partir de 10/01/2019

Relativo às ocorrências sucedidas a partir do primeiro dia de 2019 para o 2º grupo. Este envolve entidades participantes do “Grupo 2 – Entidades Empresariais”, do Anexo V da Instrução Normativa RFB nº 1.634/2016. Todas as que tiveram faturamento de até R$78.000,00 em 2016. Salvo as optantes pelo Simples Nacional, desde que a condição de optante conste do CNPJ em 01/07/2018.

A partir de 10/07/2019

De acordo com as alterações, as ocorrências sucedidas a partir de 10/07/2019, para o 3º Grupo. Este abrange os obrigados que não pertencem aos outros grupos.

Sem data prevista em ato da Receita Federal do Brasil (RFB)

Para o 4º Grupo. Este inclui as entidades públicas, integrantes do “Grupo 1 – Administração Pública”. Também contempla as organizações internacionais, participantes do “Grupo 5 – Organizações Internacionais e Outras Instituições Extraterritoriais”. As duas constam do Anexo V da Instrução Normativa RFB nº 1.634/2016.

É importante lembrar que os prazos para os dois primeiros itens, inicialmente estavam com previsão para 01/11/2018. Já a data estipulada anteriormente para o último item era 01/05/2019.

Para os participantes do 1º Grupo – entidades com faturamento superior a 78 milhões em 2016 – nada mudou. Ou seja, não houve prorrogação do prazo de envio da EFD Reinf, que já foi liberado desde 01/05/2018.

Multas

Além dessas prorrogações, mais uma mudança foi feita na Instrução Normativa RFB nº1.701/2017. Ela passa a instituir que o sujeito passivo que não apresentar a EFD-Reinf na data definida, sofrerá sanção. Quem deixar de apresentá-la, será intimado a dar declaração original. O mesmo vale para quem apresentá-la com incorreções ou omissões. Nos demais casos, ficará sujeito a prestar esclarecimentos. Os esclarecimentos e declarações originais deverão ocorrer no prazo fixado pela RFB. Além disso, a entidade será submetida às multas:

  • De 2% calendário ou fração, incidentes sobre o montante dos tributos declarados na EFD-Reinf. Isso acontecerá mesmo se estiverem devidamente pagos. No caso de falta de entrega de declaração ou de entrega passado o prazo, será limitada a 20%.
  • De R$20,00 para cada grupo de 10 informações incorretas ou omitidas. Nesse caso, a multa mínima a ser aplicada será:
  1. R$200,00 no caso de omissão de declaração sem ocorrência de fatos geradores.
  2. R$500,00 se o sujeito passivo não apresentar a declaração dentro do prazo estipulado ou apresentá-lo com incorreções/omissões.

Porém, as multas poderão ser reduzidas:

  • Em 50% quando a declaração for apresentada após o prazo, mas antes de qualquer procedimento de ofício.
  • Em 25% se a declaração for feita depois do prazo, mas dentro do prazo definido na intimação.

Para Microempreendedores Individuais (MEI), as multas de 2%, R$20,00 e as multas mínimas, serão reduzidas em 90%. Já para as Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP) enquadradas no Simples Nacional, a redução será de 50%.

(Instrução Normativa RFB nº 1.842/2018 – DOU 1 de 31.10.2018)

Fonte: Editorial IOB

Melhores Práticas para Importação

Utilizar as melhores práticas para importação é fundamental para as empresas que buscam potencializar seus processos. Isso de forma sustentável, procurando não elevar o preço dos produtos no mercado. Acompanhe as dicas que separamos para que sua empresa consiga obter todas as vantagens que essas práticas podem oferecer.

Práticas-para-Importação

Previsibilidade de custos

Esse fator é muito importante para qualquer empresa que trabalhe com importação, pois atualmente é mais fácil ter exatidão na estimativa de custos em cada nível do processo. Isso porque as empresas geralmente firmam contratos com seus fornecedores. Além disso, a variação costuma ser mínima, sendo que a principal variável nessa prática é a taxa de conversão cambial.

Escolhendo o melhor transporte

Aqui, deve-se avaliar as alternativas de modal de transporte para determinado embarque.

No caso dos produtos estarem no timing de necessidade/recebimento e distribuição, o transporte marítimo é a melhor opção, visto que suporta grande quantidade e variedades de produtos, por um custo relativamente baixo, em relação a outros modais.

Mas, digamos que o recebimento dos produtos precise ser urgente e a distribuição for para atender a uma demanda excepcional. Nesse caso, o transporte aéreo é melhor. Assim, com a agilidade deste meio será possível a entrega da mercadoria, evitando quaisquer contratempos. Como nada é perfeito, vale lembrar que o custo do frete internacional no Brasil é bem superior ao transporte marítimo.

Se você não quer gastar tanto, firme um contrato com um agente de frete internacional aéreo. Aliás, falando em contratos, veja a seguir mais uma prática para otimizar o processo de importação.

Firme contrato com fornecedores

Firmar contrato com um fornecedor é melhor do que solicitar um prestador de serviços diferente a cada demanda, uma vez que esta é a opção mais econômica tanto no médio como no longo prazo. Afinal, ao firmar contrato, o serviço contratado não é orçado baseando-se em tabela pública.

Além disso, é a forma ideal de estreitar o relacionamento, obtendo assim um atendimento diferenciado. Com o suporte do contrato legal, o prestador é acionado sempre que for preciso enquanto durar o contrato. Dessa forma, você faz uma parceria que entende sobre o seu negócio e assim pode prestar um atendimento mais eficaz. Lembre-se: A eficiência é a base das práticas de importação.

Forme parcerias com fornecedores estrangeiros

A relação com novas parcerias de fornecedores sempre é valida, ainda mais quando esse nível se amplia para caminhos estrangeiros, mas não se esqueça de avaliar com antecedência o nível de credibilidade do fornecedor no comércio internacional. Também é importante analisar seus processos e certificações especiais para atuar no comércio exterior. Outro ponto a ser verificado é se o produto e as práticas do fornecedor satisfazem as demandas de sua companhia. A facilidade de distribuição após a entrega também é um item que precisa ser considerado.

Documentação em ordem

Nesse quesito, utilizar-se de KPIs (Key Performance Indicator) pode ser a escolha ideal. Afinal, esses indicadores permitem medir o fluxo de submissão da documentação por parte da origem para a análise. Também pode ser útil para medir o prazo de retorno com a confirmação ou instruções de ajuste. Na verdade, o ideal é que a carga já chegue ao Brasil com toda a documentação correta.

Portanto, fazer uso dessas práticas não é algo complicado e ainda padroniza seus procedimentos em curto prazo, algo de alta relevância para a otimização e assertividade nos processos de sua empresa.

e-Procurement. O que é? Quais as vantagens?

O e-Procurement é um processo eletrônico para negociar bens ou serviços que normalmente está ligado a uma plataforma na internet. Ele traz mais transparência e melhora a eficiência dos procedimentos de compra e é a alternativa ideal para tarefas tradicionais.

e-Procurement

Como posso usar essa facilidade na minha empresa?

Agilidade e excelência são pilares para uma gestão eficaz. Por isso o e-Procurement é a solução ideal para realizar compras por telefone ou por e-mail, como cotações manuais, com ele, já não é necessário digitar todas as informações disponibilizadas nos orçamentos, já que tudo é feito automaticamente. E isso com toda a segurança e praticidade.

Benefícios

Produtividade e redução de custos

Pense nos gastos rotineiros formados pelos envios dos orçamentos, pelo telefone, ou fax e some tudo isso no final do mês. Agora, imagine reduzir consideravelmente essas despesas e aumentar a efetividade, tudo isso em uma solução de e-procurement que traduz inteiramente aquilo que uma companhia realmente precisa: Custo-benefício e Precisão.

Economia de tempo e dinheiro

Com a solução certa, você consegue economizar tempo nas operações de aquisição. E com isso, os custos operacionais do setor de compras também são reduzidos.

Agilização de processos: o foco para outras demandas

Os processos internos são feitos de forma bem mais rápida. Afinal, com ele pode-se automatizar o envio de requisições, cotações e pedidos, entre outros. E isso tudo é acompanhado pelo tracking das transações, permitindo assim um monitoramento exato e preciso de todas as ordens de compra.

Maior eficiência

Principalmente nos processos logísticos da empresa. Isso porque os métodos tradicionais costumam causar atrasos nos pedidos. Não em relação ao serviço do fornecedor em si, mas à sua demanda de momento. Já o e-Procurement consegue um alinhamento praticamente perfeito, além de eliminar erros manuais e trazer maior agilidade aos trabalhos da sua equipe.

Auxilia na tomada de decisões

Com o e-Procurement, sua empresa tem acesso aos dados contidos nos relatórios do sistema. Essas informações podem ajudar a tomar decisões estratégicas, pois permitem avaliar o desempenho dos fornecedores e a logística do produto comprado. Além disso, também pode servir para descobrir o saving obtido, ou seja, os valores necessários para reduzir os custos de forma mais eficiente.

O aliado para a tomada de decisão

Com o e-Procurement, sua empresa tem acesso aos dados contidos nos relatórios do sistema. Essas informações podem ajudar a tomar decisões estratégicas, pois permitem avaliar o desempenho dos fornecedores e a logística do produto comprado. Além disso, também pode servir para descobrir o saving obtido, ou seja, os valores necessários para reduzir os custos de forma mais eficiente.

Segurança extra nos dados

Isso porque o e-Procurement ajuda a reprimir atos indevidos, como fraudes que podem acontecer no processo de aquisições corporativas.

Como implantar?

A implantação de quaisquer soluções necessita de uma disruptura na cultura organizacional, uma vez que todos precisam entender as potencialidades das ferramentas, nesse caso, o e-procurement. A mudança retira procedimentos como: planilhas e telefone, passando tudo a ser gerenciado pelo software, garantindo o foco em atividades estratégicas não operacionais.

Porém, deve-se ter cautela para não modificar todos os processos. Aqueles que são considerados úteis devem ser mantidos.

No entanto, é imprescindível contar com a expertise de técnicos ou consultores de sistemas. Um fator considerável é se a ferramenta contratada é adaptável ao modelo de negócio da empresa, sem estudar o mercado e analisar a melhor empresa o risco de retrabalhos ou descontentamentos podem causar danos irreversíveis.

Se você quer adotar essa facilidade, acesse o site e conheça as soluções StarSoft para sua empresa.

Balanço Patrimonial – Melhores Práticas

O balanço patrimonial é um dos relatórios fundamentais para a boa gestão das empresas. Afinal, ele registra todas as movimentações financeiras da empresa durante um período determinado. Apesar disso, muitas organizações ainda não estão dando a devida importância à essa prática, correndo o risco de comprometer a sobrevivência do negócio em longo prazo.

Se você já reconheceu a importância do balanço patrimonial e quer realizá-lo da melhor forma possível, confira o post de hoje. Aqui, separamos algumas dicas de melhores práticas para que sua empresa consiga obter melhores resultados. Confira!

Balanço-Patrimonial

Registros contábeis

O Conselho Federal de Contabilidade institui o registro contábil como uma tarefa obrigatória. Além disso, o Código Civil também determina essa como uma obrigação no artigo 1.179. Assim, todas as empresas – optantes ou não pela tributação Simples Nacional – são obrigadas a registrar suas movimentações contábeis. Ou seja, elas precisam ter documentos comprovando todas as transações financeiras realizadas.

Esses documentos precisam ser enviados ao contador, que irá fazer a escrituração contábil por meio das partidas dobradas. Claro que isso envolve um conjunto de termos técnicos e princípios contábeis, por isso é fundamental que seja feito por um profissional especializado.

Esses registros são extremamente importantes, já que sem eles, sua empresa fica vulnerável em processos por irregularidades tributárias. Também é prejudicial para a exatidão na declaração do imposto de renda. Sem falar que sem eles, a tarefa de avaliar o desempenho financeiro da empresa torna-se bem mais complicada. Isso porque o balanço patrimonial é realizado baseando-se nesses registros.

Classificar ativos e passivos

É fundamental classificar os elementos do balanço patrimonial em passivos e ativos para oferecer uma visão abrangente e ampla da situação contábil da empresa.

Os ativos se referem aos bens, direitos e aplicações de recursos dominados pela empresa. Inclusive investimentos financeiros e títulos a receber. Os passivos, por sua vez, compõem a lista de obrigações financeiras da organização. É nesse ponto que entram as despesas com folhas de pagamento, impostos, dívidas com bancos e demais valores a pagar.

Depois de classificar ativos e passivos, pode-se calcular a diferença entre eles. Desse cálculo resulta o chamado patrimônio líquido, que envolve tudo o que a empresa tem de fato disponível em caixa. Assim, para que o balanço esteja correto, a soma dos passivos e dos patrimônios líquidos deve ser igual ao valor de ativos.

Compreenda as informações do balanço

Por ser parte fundamental da gestão financeira das empresas, o balanço patrimonial precisa ser realmente compreendido. Ou seja, os dados que ele oferece devem ser aproveitados para medir a saúde financeira do negócio.

A informação mais clara que ele demonstra é a evolução do patrimônio líquido. Assim, é preciso observar sua curva de crescimento. O ideal é que ela aumente com o passar do tempo. Assim, demonstra que a empresa está faturando mais do que gasta, se mantendo assim longe do endividamento.

A liquidez – quantidade de recursos disponíveis para quitar dívidas em curto prazo – é outra informação a ser retirada do balanço. Ela comprova se a empresa é capaz de reagir em caso de emergências financeiras.

Outros dados que podem ser medidos a partir do balanço patrimonial são os níveis de endividamento, rentabilidade e rotatividade de recursos. Ao realizar a análise dessas informações, a segurança na gestão do negócio é aumentada.

Realize o balanço patrimonial da sua empresa e não deixe de aproveitar os indicadores que ele fornece. Dessa forma, você terá uma visão mais exata e realista da situação financeira da sua empresa.

Conheça mais as soluções contábeis do StarSoft Applications, acessando o nosso site em: https://www.starsoft.com.br/solucoes/gestao-fiscal/

Plano de Capacidade – O Que é e Como Funciona?

Você já fez o plano de capacidade para sua empresa? Ainda não? Não acha importante? Nós iremos explicar tudo para você.

plano-de-capacidade

Quando se fala em plano de capacidade, é importante ter dados que garantam uma tomada de decisão assertiva. Toda empresa precisa calcular sua capacidade produtiva baseando-se em unidades de produção ao longo de uma certa periodicidade. Ou seja, descobrir quantos itens é possível produzir considerando horas, turnos, dias, semanas ou meses.

Exemplo prático

Neste artigo utilizaremos como exemplo uma fábrica de sapatos, onde vamos explicar de maneira clara como funciona o processo.

Capacidade Instalada

As máquinas e as pessoas produzem 100 pares de sapatos por hora, todos do mesmo modelo. Portanto, em um dia comum – com 24 horas – seriam fabricados 2.400 pares. Esse cálculo considera o funcionamento máximo, sem perdas, falhas, paradas de máquinas ou demais imprevistos. É um cálculo hipotético, que ajuda milhares de empresas nas tomadas de decisões mais estratégicas.

Capacidade disponível

Essa mesma fábrica opera em dois turnos de trabalho, de oito horas cada. Dessa forma, são 16 horas totais, onde seriam produzidos 1.600 pares de sapatos. Aqui também não são consideradas perdas, faltas ou paradas nas máquinas, por qualquer que seja o motivo. Para aumentar essa capacidade, o empreendedor precisa fazer uma escolha. Ele pode escolher se vai investir em novas máquinas, contratar mais pessoas ou abrir mais um turno, acarretando notoriamente na necessidade de aumento da mão de obra.

Capacidade efetiva

Aqui o princípio é o mesmo da capacidade disponível, mas com planejamento de perdas. Ou seja, são considerados alguns fatores previsíveis em qualquer planta industrial. Entre elas: manutenções preventivas, trocas de turnos, necessidade de limpeza de equipamentos devido a setups para linhas de produtos diferentes, amostras de qualidade, entre outros. Por exemplo, se considerarmos as especificidades de cada um, existe uma perda planejada diária de 3% da capacidade disponível. Isso representaria uma produção diária de 1552 pares de calçados.

Capacidade realizada

É similar à capacidade efetiva, mas aqui também são consideradas as perdas não planejadas. Fatores como falta de energia, de insumos, absenteísmo, estrago de maquinário, investigações de problemas de qualidade. No cálculo dessas perdas, a análise do histórico da empresa contribui consideravelmente. Aplicando no nosso exemplo, digamos que seja de 5% ao dia. Do, a produção diária cairia para 1.474 pares de calçados.

Ao elaborar um plano de capacidade, um sistema de gestão fixa-se como grande aliado na garantia de processos mais otimizados. Um bom software faz cálculos que auxiliam na avaliação da necessidade de investimento, perdas e ganhos para os negócios, bem como possíveis alternativas no caso de uma futura progressão dentro da produção, permite também a redução de custos por meio do uso racional de recursos. Além disso, pode ajudar a ajustar a capacidade da demanda, que pode variar de um momento para o outro.

Conheça as soluções eficazes da StarSoft. Uma empresa com Know-how de três décadas de história.

Case de Sucesso – TS Shara

Você já conhece o case de sucesso da TS Shara? Hoje iremos falar mais desse case para você.

Case-de-Sucesso-da-TS-Shara

A TS Shara há 28 anos desenvolve tecnologia inovadora para equipamentos de proteção e energia. Entre seus equipamentos produzidos estão estabilizadores de tensão e protetores de rede de baixa e média potência. Compõe o grupo das maiores e mais produtivas empresas do ramo de proteção e energia. Além disso, exporta seus produtos para mais de 15 países, fornecendo materiais de qualidade aos grandes magazines do ramo, lojas e órgãos públicos.

Case-de-Sucesso-da-TS-Shara-01

Desafio

A empresa notou que seu antigo sistema já não era capaz de atender às suas demandas. Principalmente na área de suporte técnico. Por isso, precisava de um ERP que trouxesse soluções tanto para produção quanto para trâmites fiscais e de suporte técnico.

Outro desafio que se apresentava era o tempo de execução do projeto de implantação do novo sistema. Isso por causa da descontinuação do software antigo e a urgência para seguir com as atividades corporativas. Principalmente os envios das obrigações legais.

Resultados

A implantação do software, atendendo aos pontos requeridos pela TS Shara, levou apenas 2 meses. A empresa está operando o StarSoft Applications desde janeiro de 2018, através dos módulos de Compras, Venda, Estoque, Financeiro, Fiscal, Contábil, Imobilizado e Produção. Ou seja, um ERP praticamente completo.

Os resultados foram tão satisfatórios, que surpreendeu o CEO, Pedro Al Shara. “Não imaginei que a StarSoft poderia entregar todos os módulos com a agilidade e alta qualidade de serviço, o desafio impelido exigia que a produção do software fosse concluída em apenas 2 meses, e notavelmente o compromisso foi cumprido com excelência”, diz ele.

Destaques

Agilidade nos Processos Operacionais

A geração de pedidos agora está atuando com agilidade, coordenando de forma assertiva os pedidos que seguem do departamento comercial para a Produção. Com isso, há um maior controle da linha de produção, com previsões de entrega e distribuição mais precisas.

Gestão de Suprimentos e Produção

Os gestores podem administrar a entrada de notas fiscais e a compra de insumos necessários para a produção de forma automatizada. Além disso, com o módulo de Estoque, é possível controlar toda a entrada e saída dos insumos e os produtos acabados.

Na produção, o módulo otimiza os processos de PCP, bem como automatiza as ordens de produção, plano de necessidade de materiais e compras automáticas, entre outros.

Vendas e distribuição

O Módulo de Vendas contempla todos os processos do departamento. Entre eles, orçamentos, pedidos, vendas e emissão de nota fiscal. Além disso, integra-se ao demais módulos, com destaque para automatização da emissão de nota de beneficiamento.

Gestão Financeira e Contábil

A Gestão Financeira e Contábil foi simplificada e as rotinas do departamento está agilizada. Tudo isso com a transparência necessária e ampla variedade de relatórios. O módulo financeiro foi implantado em sua versão completa, com as soluções contas a receber, contas a pagar. Além disso, o sistema oferece acesso a todos os demonstrativos financeiros gerenciais que são fundamentais para fazer a análise de performance da empresa.

Um diferencial durante o processo foi o relacionamento e sinergia com a equipe TS Shara. Os profissionais qualificados estavam sempre dispostos a fazer com que os procedimentos pudessem acontecer de forma ágil. Esse fato proporcionou o sucesso da implantação e a entrada em produção dentro do prazo de 2 meses, como estipulado.

Finanças – Planejamento Orçamentário

E aí, você já fez o seu planejamento orçamentário para os próximos passos da sua empresa?

Planejamento-Orçamentário

Para quem está começando na Gestão Empresarial, a experiência pode ser como um portal que se abre para infinitas possibilidades. Existem diversas melhorias possíveis nos processos da empresa, gerando impactos positivos diretamente no resultado. Claro que também surge muita ansiedade em querer mudar tudo de uma vez só.

A boa notícia é que contamos com sistemas de Gestão Empresarial, conhecido pela sigla ERP. Ela pode ajudar sua empresa a ganhar velocidade nesse processo. Dentro da Gestão do Desempenho Empresarial, existem diversas ferramentas, modelos, metodologias e várias técnicas que podem contribuir para o aumento dos lucros da empresa. Hoje vamos falar sobre apenas uma delas, que é o Planejamento Orçamentário.

Mas antes, precisamos entender que ele é uma das bases da Gestão Orçamentária. Ela, por sua vez, estuda como planejar e monitorar sistematicamente os resultados financeiros da sua empresa. Dentro da Gestão Orçamentária, temos quatro grandes fases:

  • Planejamento orçamentário
  • Simulações de cenários
  • Acompanhamento orçamentário
  • Revisões orçamentárias

Uma contabilidade de trás para a frente.

O Planejamento Orçamentário consiste em planejar as receitas, custos, despesas e investimentos que sua empresa em curto e longo prazos. É como uma contabilidade reversa, pois ela se preocupa em registrar as entradas e saídas financeiras que já ocorreram. Já o Planejamento Orçamentário busca antecipar o futuro, para que sua empresa se prepare para o que está por vir.

É preciso fundamentar-se em fatos e argumentos para realizar as previsões mais claras e exatas. Existem várias formas de fazer isso. Uma delas é partindo do seu Planejamento Estratégico, Tático e Operacional e convertendo-o em números. Pode ser usando um orçamento com base no departamento, ou por meio do Orçamento Colaborativo.

O que considerar no Planejamento Orçamentário de sua empresa?

Agora que já sabemos o que é o Planejamento Orçamentário, precisamos saber como ele é feito. De forma geral, o orçamento de uma empresa é composto por:

  • Planejamento de Vendas
  • Projeção de Deduções de Vendas
  • Orçamento de Custos de Produção
  • Orçamento de Gastos com o Pessoal
  • Orçamento de despesas operacionais
  • Orçamento de investimentos

Cada empresa tem necessidades diferentes e na Gestão Empresarial nunca temos uma regra mágica que se aplique a qualquer empresa. Todos os itens acima são importantes, mas para sua empresa uns serão mais relevantes que outros.

Você precisa entender o modelo de negócios da sua empresa e definir qual dos itens acima o esforço deverá ser concentrado. Por exemplo, uma empresa que possui muitos funcionários e os gastos com salários e benefícios representam o maior percentual das despesas. Nesse caso, é nesse ponto que a atenção deve ser maior para oportunidades estratégicas.

Outro exemplo: uma empresa no segmento da indústria tem seus custos produtivos associados a um pequeno grupo de matérias-primas. Nesse caso, pode ser que as melhores chances de reduzir custos com um bom planejamento orçamentário estejam nessa etapa..
Enfim, é preciso avaliar e ponderar sempre. Afinal, se estamos planejando, devemos sempre buscar pelo melhor caminho possível.

E para que isso tudo?

Já sabemos o que é Planejamento Orçamentário, como ele é composto e o que precisa ser feito. Agora precisamos começar a colher os resultados.

Depois de elaborado o orçamento com as informações disponíveis, é possível a gerar relatórios. Três deles são considerados essenciais para a gestão de qualquer empresa. São eles:

  • DRE Projetado
  • Projeção de Fluxo de Caixa
  • Projeção de Balanço Patrimonial

Eles são importantes, independente do segmento, porte e idade da sua empresa. A grande mágica está na forma como eles se complementam. Podemos dizer, basicamente, que a Projeção de DRE mostra o quanto de lucro sua empresa vai gerar. Já a Projeção de Fluxo de Caixa mostra quanto dinheiro em caixa a empresa tem para honrar seus compromissos. Por fim, a Projeção de Balanço Patrimonial indica quanto a empresa irá acumular de riqueza no período projetado, expandindo ou não seu patrimônio.

Além dos três demonstrativos, depois de pronto o Planejamento Orçamentário, possibilita a extração de alguns Indicadores de Desempenho Fundamentais. Eles ajudam a entender objetivamente se os planos traçados para sua empresa fazem sentido ou não.

E agora, o que vem depois?

Um planejamento nunca dura para sempre. Por isso, as Revisões Orçamentárias são sempre bem vindas. Elas servem para atualizar os planos no novo cenário que a empresa está inserida.

A StarSoft te ajuda a ter uma visão ampla das receitas e custos da sua empresa. Com o sistema de Gestão Empresarial da StarSoft, é possível analisar toda a estrutura de negócios e seus recursos detalhadamente. Gere relatórios, acompanhe gráficos e mapas gerados em tempo real com praticidade. Acesse o site e conheça todas as funcionalidades oferecidas pela nossa plataforma.

Case de Sucesso da ABCasa

Você já conhece o case de sucesso da ABCasa? Hoje iremos falar um pouco dele.

Case-de-Sucesso-da-ABCasa

A Associação Brasileira de Artigos para Casa, Decoração, Presentes, Utilidades Domésticas, Festas e Flores (ABCasa) optou pela implantação do CRM da StarSoft e já colhe resultados. Escolhemos o case de sucesso da ABCasa para você entender um pouco mais do nosso produto.

A ABCasa é a maior feira do setor da América Latina, sendo um ponto de encontro B2B (business to business). Movimenta e incrementa a economia do país em duas edições anuais (fevereiro e agosto). Essas duas edições acontecem sempre na cidade de São Paulo. Cerca de 100 mil visitantes profissionais (lojistas, arquitetos, decoradores, designers) passam por lá. A feira tem duração de cinco dias, e conta com mais de 400 mil itens disponíveis. Em sua quarta edição a ABCasa comprova experiência única e agradável com total infra-estrutura, ferramentas e profissionais renomados do setor.

Desafio

Uma nova abordagem proposta para a feira também apresentou novos desafios. A ABCasa teve um crescimento exponencial e precisava de um sistema, para gestão comercial que acompanhasse esse crescimento. Também precisava que o compartilhamento das informações fosse parametrizado. Um sistema que atendesse a demanda por reservas, prospecção, ações comerciais e de marketing, cadastros e fornecedores, também era essencial. Além disso, demandava integração com outros sistemas já implantados. E que fosse de fácil aprendizagem para que a transição dos sistemas fosse o mais suave possível para os colaboradores.

A solução escolhida foi o CRM da StarSoft.

Para enfrentar esse desafio, a ABCasa escolheu implantar o CRM da StarSoft por sua praticidade e também pela qualidade do treinamento e suporte oferecidos pelo sistema. O resultado dessa parceria foi um projeto de sucesso, entregue dentro do cronograma estabelecido.
O processo de implantação ocorreu dentro do prazo estimado (3 meses). Além disso, não apresentou grandes problemas de integração com o módulo já existente. Profissionais remotos e presenciais foram disponibilizados para esse projeto. O treinamento dos usuários foi intenso. Mas a aceitação e assimilação da interface e funcionalidades foi eficaz e satisfatória. Isso tanto para quem nunca tinha usado um sistema de gestão, como para os que já tinham familiaridade com outros sistemas.

Resultados

Hoje apenas dois departamentos da ABCasa ainda não fazem uso do módulo CRM: são 23 usuários do sistema. Os departamentos comercial e de relacionamento foram os que apresentaram crescimento mais significativo. Após a implantação do CRM, esses setores cresceram cerca de 30%.

A previsão é que até o final de 2018 todos os departamentos tenham acesso ao CRM. Isso irá contribuir para o aumento do compartilhamento e uniformidade das informações. Dentro do critério planejamento, as informações passam a ser mais consistentes, e acessíveis à todos. O mapeamento dos processos foi determinante para a Associação saber onde melhorar e aprimorar.

Para Antonio Andrade, Gestor Executivo da ABCasa Fair, o sistema foi a solução perfeita. “A StarSoft nos deu liberdade para parametrizar, desenvolver internamente, ter um webservice e integrar, por exemplo. Não ficamos reféns do sistema como acontecia com outros softwares. Somando os treinamentos e suporte, foram fatores decisivos para a escolha da solução CRM da StarSoft.”

Aparecido Mello, Gerente Financeiro da ABCasa Fair, também ficou satisfeito. “A implantação do sistema foi tranquila, estamos muito satisfeitos com o produto e com o suporte da StarSoft. A quantidade de informações cadastrais disponíveis para consulta posterior é muito útil pra nós que temos um leque enorme de fornecedores, expositores e parceiros.”

O resultado foi tão satisfatório que outros módulos StarSoft estão em análise para implantação na ABCasa.

e-Social: Cuidados ao Gerar

Para cerca de 15 mil empresas brasileiras, o ano começou com muito trabalho. Desde janeiro, o envio de informações trabalhistas por meio da plataforma do e-Social é obrigatório para as companhias que faturaram acima de R$78 milhões em 2016. Também é obrigação para empresas que fizeram adesão antecipada ao sistema. Para que haja conformidade em todos os campos e evitar multas, as empresas precisam ficar atentas aos envios das informações. Por isso separamos alguns cuidados que precisam ser tomados ao gerar o e-Social, confira!

cuidados-ao-gerar-e-social

Atenção ao envio das rubricas

Ao enviar as informações das remunerações dos trabalhadores, elas precisam constar na tabela de rubricas (Tabela 03). É fundamental entender como funciona a tabela de rubricas, pois pequenas falhas podem gerar problemas graves. Isso porque o governo irá considerar essas informações para base do cálculo de FGTS, IRRF, INSS e Sindical Laboral. Por isso, é imprescindível garantir a adequação dessas incidências, já que elas terão um efeito cascata. Isso significa que uma alteração pode afetar diretamente os demais dados.

Cautela no fechamento da folha

Muitos empregadores possuem em sua folha de pagamento diversos valores. Estes correspondem não apenas ao salário contratual, mas também ao comissionamento e deduções de convênios. Para apurar o valor devido ao colaborador, é essencial que a empresa estabeleça um cronograma mensal. É importante conscientizar seus fornecedores e colaboradores sobre a notificação de informações que afetam os valores das verbas a serem apuradas naquela competência. Como a entrega de recibos de pagamentos referentes a prestação de trabalho em outras empresas por parte do colaborador, por exemplo. Assim a apuração da contribuição social pode correr sem problemas.
É importante lembrar que as folhas fechadas antecipadamente, sem respeitar todo o período de competência, serão uma dor de cabeça. Isso porque no e-Social pode haver divergências de valores. Essas divergências irão refletir nas movimentações de eventos não periódicos previamente enviados ao governo.

Preste atenção aos encargo

Também é importante conferir se os valores processados na folha de pagamento batem com os gerados para o governo. Eles terão impacto diretamente no recolhimento dos encargos. Portanto, deve-se aproveitar os primeiros meses de envio dos eventos periódicos para conferir os valores das guias de recolhimento. Entre elas estão GFIP, GPS, GRRF, entre outras. Deve-se compará-las com a DCTF Web e a GRFGTS, que serão geradas através dos sites dos entes participantes do e-Social.

Para te ajudar nessa tarefa de gerar o e-Social, você pode contar com o módulo e-Social da StarSoft. Acesse o site e conheça melhor mais essa facilidade que a StarSoft oferece para sua empresa!

Todo empresário agora precisa ter o e-Social

Você é empresário e não sabe se precisa ter o e-Social? Nós vamos te explicar.

empresario-precisa-ter-esocial

Qualquer empresa, não importa o tamanho, e com pelo menos um empregado terá de aderir ao e-Social a partir do dia 16 de julho. Um sistema online criado em 2013 e que unifica o sistema de informações trabalhistas e previdenciárias dos funcionários a serem enviadas ao governo federal.

Por meio do e-Social, os vínculos empregatícios, admissão, a folha de pagamento, as contribuições previdenciárias, o recolhimento do FGTS, aviso prévio, férias, eventuais acidentes de trabalho e escriturais fiscais, tudo isso terá de ser registrado na plataforma de obrigações trabalhistas. Essas informações, que eram enviadas individualmente para o INSS, Ministério do Trabalho, Ministério da Previdência ou para a Caixa Econômica Federal, geravam muita burocracia e troca excessiva de dados.

As empresas, incluindo aí as pequenas e micros empresas cadastradas no MEI, que não se adequarem ficam sujeitas a multa, dependendo do nível de descumprimento das normas de recolhimento, quer dizer, da obrigação que deixou de ser paga. Mas de outro lado, a fiscalização também fica mais acirrada.

As informações para o e-Social devem ser precisas e entregues no momento exato, explica o coordenador. Isto requer organização e eficiência do profissional responsável pelo controle dos dados, pelo departamento de RH.

A chegada do e-Social obrigou as empresas a fazerem uma revisão dos dados cadastrais dos trabalhadores, o que possibilitou a qualificação das informações, o que tende a evitar futuros problemas no saque de FGTS, seguro desemprego etc. Com os dados atualizados haverá mais rapidez na concessão de benefícios do INSS e aposentadoria, por exemplo. Também é mais fácil para a Receita Federal encontrar irregularidades.

Para garantir que tudo seja feito no prazo e as informações sejam entregues de maneira correta, as empresas precisam fazer uma revisão na área tributária, previdenciária e trabalhista, para reduzir ou eliminar riscos. “As empresas devem cuidar da adequação da infraestrutura de redes, servidores, velocidade de internet e segurança e capacitar os profissionais envolvidos.

Microempreendedores – MEI e empresas do Simples Nacional

A expectativa é a de que perto de 155 mil Microempreendedores Individuais (MEI) com empregados e 2,7 milhões de empresas do Simples Nacional façam seu cadastro no e-Social.

O empregador sem funcionário não está obrigado a aderir ao e-Social, mas deverá verificar anualmente se não está obrigado a essa escrituração. Já aquele que tiver mais de um funcionário será obrigado não só à adesão como também a ter certificado digital.

Fonte: Estadão Economia e Negócios

Paste your AdWords Remarketing code here